Convenção Ronaldo Pereira da Cruz

04/05/2019

Ronaldo Pereira da Cruz, Bombeiro civil morto em exercício da profissão no incêndio no Museu da Língua Portuguesa em São Paulo-SP (21/12/15), ele trabalhava sozinho no turno e não tinha a disposição equipamentos de proteção, antes de ser vitimado pela fumaça, garantiu a saída e segurança de todos os ocupantes do prédio.

Para que a tragédia não se repita, o CNBC publicou a Convenção Ronaldo Pereira da Cruz, com dois princípios fundamentais:

1 - Em qualquer situação ordinária em que exista Serviço Especializado de Prevenção e Resposta a Emergências, havendo Bombeiros no serviço, seja em atendimento público ou privado, em municípios, empresas ou comunidades, haverá quantidade de profissionais em turno de forma que, obrigatoriamente, ao menos 2 (dois) Bombeiros respondam em conjunto a qualquer chamado.

2 - Os Bombeiros em serviço, terão a disposição equipamentos de proteção que lhe assegurem condições mínimas de segurança e desempenho nas ações de resposta as emergências previstas em seu local de trabalho, incluindo, mas não limitado, a proteção respiratória, térmica e ferimentos por atrito.

Além desta convenção, as Normas Nacionais do CNBC preveem que nunca haja situação em que um profissional esteja em serviço sozinho ou que não disponha de materiais e equipamentos que lhe garantam condições mínimas de proteção, desempenho e segurança, estas normas estão sendo adotadas como referência em projetos de Leis municipais e estaduais em todo País.

Desde 2014, inserimos o Brasil no "4 de Maio - Dia Internacional do Bombeiro", um movimento em todo mundo que honra aqueles que se foram e promove a discussão e ações por melhoras nos serviços e mais segurança aos profissionais da área.
Neste ano, faremos a campanha em memória de Ronaldo Pereira da Cruz, e promoção da convenção que leva seu nome, com o tema:

"Que nunca mais um Bombeiro trabalhe sozinho ou sem equipamentos de proteção".

by renato MENDES