Uso repetitivo de dispositivos celulares pode trazer sérios danos à vida social

25/02/2019

Quando bem equilibrado, o uso dos eletrônicos não traz riscos à saúde. Porém, quando a compulsão se torna um pecêm na vida das pessoas cuja a sua visibilidade se torna evidente, é preciso ficar atento. Mas quais são os sinais que devemos ficar atentos?  

Celulares, tablets, computadores e videogames portáteis, enfim, uma verdadeira gama de produtos eletrônicos que evoluiu e invadiu, nos últimos 20 anos, a vida cotidiana. Na carona desse mundo virtual, surgiram novos termos, expressões e padrões de comportamento. Com o desenvolvimento a internet, estar online é fazer parte de um mundo cibernético no qual o convívio é a palavra de ordem. Quando bem equilibrado, o uso dos eletrônicos não traz riscos à saúde. Porém, quando a compulsão se torna um pecêm na vida das pessoas cuja a sua visibilidade se torna evidente, é preciso ficar atento. Mas quais são os sinais que devemos ficar atentos?

Celulares, tablets, computadores e videogames portáteis, enfim, uma verdadeira gama de produtos eletrônicos que evoluiu e invadiu, nos últimos 20 anos, a vida cotidiana. Na carona desse mundo virtual, surgiram novos termos, expressões e padrões de comportamento. Com o desenvolvimento a internet, estar online é fazer parte de um mundo cibernético no qual o convívio é a palavra de ordem. 

A última "novidade" na onda dos vícios modernos é o smartphone. Como eles permitem acessar a internet de qualquer lugar, além de serem reproudotres de música, vídeo e mensagens, sem falar da função básica de telefonar, eles se converteram em uma necessidade básica para muita gente.

Olhando em um formato mais holístico, o mundo de hoje, as pessoas nas ruas, nos ônibus, sentadas nas praças, notamos um tanto entorpecido uma coisa. Os jovens e outros nem tão jovens assim, em sua maioria, passam mais tempo com os fones de ouvido dentro dos "pavilhões auriculares", impedindo que ouçam qualquer coisa além da música, enquanto seus dedos estão digitando mensagens, enviadas a alguém bem distante, ou até bem próximo.

Passamos a falar, não mais com a boca, mas com os dedos, há quem caminhe pela rua, digitando no celular, se prestar atenção ao trânsito. Não raramente se expõe ao risco de ser atropelado, mas não desgruda do celular. Cuidado se você se enquadro em um destes sinais você pode estar sofrendo de (Nomofobia) , a dependência ao uso excessivo do celular podendo gerar tipo de ansiedade e até mesmo a depressão.

Nomofobia , a dependência ao uso excessivo do celular pode desenvolver doenças psiquicas.

A nomofobia também pode levar a problemas físicos, devido ao teclar excessivo, como dor nos cotovelos, mãos e pescoço, além de lesionar as pequenas articulações da mão. A ansiedade das pessoas que sofrem da síndrome aumentam em situações ou locais onde o uso do telefone celular é restrito, como em aeroportos, instituições acadêmicas, igrejas, hospitais, shows e ambiente de trabalho.

Pessoas viciadas em tecnologia costumam abandonar completamente a vida social e o trabalho para poder passar mais tempo em seus vícios, e que podem passar dias a fio sem sair de casa ou simplesmente trocar a vida real pela virtual.

O uso do computador e da Internet influenciou significativamente as relações humanas, sobretudo no que se refere à comunicação. No entanto, nenhuma outra forma de comunicação pode ser considerada mais natural do que aquela que acontece "cara a cara"

Cada vez usamos mais os telefones celulares. Mas ao mesmo tempo eles estão se transformando em um dos principais obstáculos para a comunicação interpessoal. Os celulares nos aproximam dos que estão longe, mas cada vez nos afastam mais dos que estão perto. Cada vez usamos mais os telefones celulares.

Smartphones foram feitos para facilitar a comunicação, mas podem ter efeito contrário. É comum não dar a devida atenção a pessoas que estão fisicamente presentes ao seu redor pelo fato do usuário permanecer engajada é uma redes sociais, e ter menos contato com a família.

A Internet aproxima quem está longe e separa quem está perto"

Alerta!!!

Uso abusivo de internet, computadores, smartphones e outros aparelhos eletrônicos aumentou drasticamente nas últimas décadas com consequências negativas para a saúde. A nomofobia também pode ser notada em pessoas que se isolam dos círculos sociais, passando a não sair de casa e desenvolvendo sedentarismo. Em outros casos, o indivíduo até está presente em eventos, mas não deixa o telefone de lado para interagir. A terapia é o tratamento indicado para reduzir essa dependência do celular. Neste caso a terapia com psicólogo-comportamental tem sua melhor indicação para ofertar um tratamento capaz de compreender a raiz desse vício e aconselhar uma mudança nestes hábitos.

Lembre-se: lembre-se o seu bem-estar na vida obtém-se com o aperfeiçoamento da convivência entre o trabalho e a família.

Até Breve!


by renato MENDES